Bolsonaro, Trump e outros conservadores aderem a rede social “sem censura”

Atualizado: 2 de Jul de 2020


Políticos de direita estão aderindo a uma nova rede social: chama-se Parler. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, seria 1 dos entusiastas, embora não tenha 1 perfil oficial. No Brasil, já estão cadastrados o presidente Jair Bolsonaro e 2 de seus filhos –o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Flávio anunciou a criação de sua conta na tarde desta 4ª feira (1º.jul.2020), pelo Twitter. Ele escreveu: “Siga-me no Parler! A rede social que tem como prioridade a liberdade de expressão!”

O Aliança pelo Brasil, partido que o presidente Jair Bolsonaro tenta criar, já tem 1 perfil. Autoridades norte-americanas, como o senador republicano Ted Cruz, eleito pelo Estado do Texas, também estão na nova rede.

Eric Trump, filho do presidente Donald Trump, também tem 1 perfil. Há ainda uma conta oficial chamada “Team Trump” (“Equipe Trump”, em português), que diz cuidar da campanha do presidente norte-americano. “Juntos vamos tornar a América grande novamente“, diz a página.


Contexto

A adesão de políticos conservadores a uma nova rede social que promete ser a favor da “liberdade de expressão” é feita no mesmo momento em que Facebook e Twitter são alvos de boicotes de grandes empresas por supostamente permitirem disseminação de conteúdo de ódio.

Movimentos sociais pressionam as marcas a retirar anúncios das redes sociais, sob acusação de que não têm se esforçado o suficiente para conter notícias falsas e discurso que estimula o preconceito. A hashtag #StopHateForProfit (“pare o ódio pelo lucro”, numa tradução literal) ficou em alta nas redes sociais.

Políticos de direita e extrema-direita também foram alvo da retirada de conteúdo do ar. O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, já citou o presidente Jair Bolsonaro numa apresentação em que exaltava o combate às notícias falsas.

O Twitter também retirou publicações de Bolsonaro durante a pandemia. Mensagem da própria rede social diz que as publicações do presidente foram excluídas por terem violado as regras do microblog. A plataforma conta com regras que estabelecem a exclusão de conteúdos que neguem ou distorçam orientações dos órgãos de saúde em relação ao combate e prevenção ao novo coronavírus.




Com informações do Poder360

PUBLICIDADE