Caminhoneiros realizam paralisação na BR 304 nesta segunda (1º), em Mossoró

Divulgação

Os caminhoneiros da cidade de Mossoró iniciaram uma paralisação nesta segunda-feira, 1º de fevereiro de 2021. O movimento acontece na BR 304, saída para Fortaleza, em frente a Jodíesel.


Segundo Josivan Souza, representante da categoria, as principais reivindicações são referentes ao alto custo do diesel e a inexistência de um tabelamento mínimo do frete.


“Há dois anos que vem tramitando aí junto ao governo federal [o tabelamento do frete] e não está sendo aprovado pra gente trabalhar e ter melhorias pra nossa categoria. O frete não está acompanhando o valor do óleo diesel”, explicou

Pede que os representantes do estado olhem pela categoria que, segundo ele, é uma das mais importante pra economia do país e não está mais conseguindo trabalhar com dignidade diante de tantos aumentos.


“Quem transporta o progresso no nosso Brasil somos nós caminhoneiros, sem o caminhoneiros o Brasil para. O Brasil não consegue fazer girar a economia do país inteiro sem o nosso trabalho. Nós vamos continuar aqui reivindicando e esperando melhorias”, disse.


O protesto começou por volta das 9h. Os caminhoneiros espalharam alguns pneus pela pista, mas, a todo momento, o trânsito fluiu nas duas vias, inclusive com a passagem liberada para caminhoneiros que não quiseram aderir à paralisação.


Por volta das 11h30 a Polícia Rodoviária Federal recolheu os pneus e informou que é proibida a interdição da vida, ficando aqueles que insistirem sujeitos a sanções que vão desde medidas administrativas à multas.


Os caminhoneiros, por sua vez, informaram que não vão encerrar o protesto e que vão colocar novos pneus interditando as vias.

A PRF segue acompanhando a movimentação e controlando o trânsito.


STOP APP

No Centro da cidade, motoristas de aplicativos também estão realizando um protesto nesta segunda-feira (1º). A principal reivindicação também está relacionada ao aumento nos preços dos combustíveis.


Segundo eles, as corridas possuem valores mínimos que não cobrem os custos que eles têm, tanto com gasolina, quanto com manutenção e demais despesas que envolvem as corridas.



Com informações do Mossoró Hoje