DEM expulsa Sara Winter por ''Envolvimento em movimentos radicais contra o Estado de Direito''


Partido declarou que repudia "quaisquer atos de violência ou atentatórios ao Estado de Direito, ao Regime Democrático e às instituições brasileiras". Sara é investigada no inquérito das fake news e pode ter pedido de prisão decretado depois de ameaçar ministro do STF

O Democratas (DEM) formalizou, nesta terça-feira (2), a expulsão sumária da ativista de extrema direita Sara Fernanda Giromini, que se autodenomina Sara Winter, do quadro do partido. A sigla argumenta que a decisão foi tomada devido ao "envolvimento da filiada em movimentos radicais contra o Estado de Direito e o Regime Democrático".


"O Democratas repudia, de forma veemente, quaisquer atos de violência ou atentatórios ao Estado de Direito, ao Regime Democrático e às instituições brasileiras", escreveu o presidente do partido e prefeito de Salvador, ACM Neto.


A ativista é uma das lideranças do movimento "300 do Brasil", que montou um acampamento em Brasília. No último sábado, dia 30, o grupo fez um protesto em frente ao STF com tochas e máscaras. O ato foi comparado por parlamentares ao grupo supremacista branco Ku Klux Klan, dos Estados Unidos.


A apoiadora bolsonarista é uma das investigadas no inquérito das fake newse pode ser alvo de um pedido de prisão do Ministério Público em razão de ameaças dirigidas ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, que conduz a investigação.


Em vídeo publicado nas redes sociais, Winter falou que, se estivesse na mesma cidade que Moraes, chamaria o ministro para "trocar socos". Ela também prometeu perseguir e "infernizar" a vida do ministro, responsável por determinar a operação da Polícia Federal (PF) que apreendeu computador e celular da ativista.

PUBLICIDADE