Em 1 dia, RN tem 4 mortes de policiais e bombeiros militares por covid-19


Em apenas um dia, ao longo desta segunda-feira (22), 4 militares morreram por covid-19 no Rio Grande do Norte: 2 bombeiros e 2 policiais. Em um ano, 34 militares e servidores da Segurança Pública do Estado faleceram pela doença. Foram 19 somente nos 3 primeiros meses deste ano.


Entre as vítimas está Jurandir Pedro da Silva, de 49 anos. De acordo com a PM, ele entrou na corporação em 1992 e estava lotado no 3º Batalhão, em Parnamirim.


O bombeiro Fábio de Souza Silva, de 50 anos, também perdeu a vida — dois dias após a morte da esposa, Cristiane Regina Silva, de 43 anos, também por covid-19.


Os casos entre servidores da segurança levaram a protestos e pedidos feitos pelas autoridades na área para que o grupo seja prioritário na vacinação contra o novo coronavírus.


O comandante geral da PM, coronel Alarico Azevedo, e o comandante do Corpo de Bombeiros, Luiz Monteiro Júnior, oficializaram, no último dia 17, o pedido à Secretaria de Segurança para que agentes de segurança pública também seja priorizados na vacianação. No dia 18, policiais civis fizeram uma paralisação cobrando a imunização.


Óbitos por covid-19 entre agentes de segurança pública no RN


Polícia Militar: 28 óbitos Em 2020: 13 (7 da reserva) Em 2021: 15 (9 da reserva)

Corpo de Bombeiros: 3 óbitos Em 2020: 1 (da reserva) Em 2021: 2 (1 da reserva)

Polícia Civil: 2 Em 2020: 0 Em 2021: 2 (ambos aposentados)

Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep): 1 Em 2020: 1


De acordo com a Secretaria de Segurança, no dia 5 de março, o secretário coronel Francisco Araújo assinou uma carta conjunta dos secretários estaduais de segurança enviada ao Ministério da Justiça solicitando vacinação. No dia 22, voltou a enviar ofício para o ministro André Mendonça.


Nesta segunda (22), um ofício encaminhado pelo Ministério da Justiça ao Ministério da Saúde informou que as autoridades estaduais se comprometem a vacinar priorizando profissionais que estão nas ruas, em atendimento ao público e os de maior idade. Mesmo assim, ainda não há definição sobre o tema.



G1

PUBLICIDADE