Chineses cobraram fim dos ataques bolsonaristas em troca de vacinas

Fabricante da Coronavac condicionou a remessa de insumos para as vacinas ao fim dos ataques bolsonaristas à China

O fabricante da Coronavac recomendou que Jair Bolsonaro parasse de atacar a China, a fim de manter a remessa de vacinas.


De acordo com um documento sigiloso do Itamaraty, enviado à CPI da Covid e obtido por O Globo, diplomatas brasileiros reuniram-se em Pequim, em 19 de maio, com o presidente da Sinovac, Weidong Yan, para negociar o suprimento de insumos.


Durante a reunião, o responsável pelo laboratório disse que seria conveniente, para retomar o processo, que o governo brasileiro buscasse “desenvolver uma relação mais fluida e positiva com o governo chinês”.


Segundo os diplomatas, o presidente da Sinovac “não chegou a afirmar categoricamente que haveria uma ingerência direta do governo na alocação de insumos, mas realçou a importância de um bom diálogo entre Brasília e Pequim. Afirmou que a questão não é meramente comercial, mas também diplomática. Citou, como exemplo, o reflexo positivo das boas relações que a Indonésia e o Chile mantêm com a China sobre o suprimento de vacinas para aqueles países.”

A reunião ocorreu 15 dias depois que Jair Bolsonaro acusou a China de promover uma “guerra biológica”, gerando a suspensão do fornecimento de insumos.



O Antagonista

PUBLICIDADE