Bolsonaro: Ivermectina mata 'verme' e por isso esquerda rejeita

O presidente Jair Bolsonaro ironizou,nesta sexta-feira (16), as críticas de opositores à ivermectina, remédio usado para o tratamento de parasitas, que ele vem recomendando utilizar para tratar a covid-19. “A ivermectina também mata verme ou não? Agora entendi por que a esquerda é contra”, afirmou, aos risos, em conversa com apoiadores.

Divulgação

“Eles criminalizaram o tratamento precoce, o tratamento imediato. Se falar qualquer coisa, não pode. Estão processando o ministro da Saúde nosso por causa da cloroquina. A cloroquina é usada aqui há muito tempo para a malária e outras coisas. Não existe excesso de produção da nossa parte. Muito pelo contrário, tende a faltar. Eu pedi para o 1º ministro da Índia insumos”, disse.


“É o tempo todo o pessoal só atrapalhando. Isso não dá certo. O idiota, o que dá certo? O cara é um jumento. Fica falando: ‘Ivermectina não pode, não tem comprovação científica’. E não dá alternativa. Deixa o cara tomar, pô. O médico vai decidir o que o cara vai tomar.”


Bolsonaro também criticou a maneira como são divulgados os números de mortes por covid-19 no Brasil, que já superou 365 mil.


“Sabemos que esse vírus está matando, em especial, o mais idoso e etc. Mas temos que ter os números concretos. A TV Globo, por exemplo, a ‘TV Funerária’ – William Bonner parece que ganhou na mega-sena quando anuncia: ‘O maior recorde de mortes’”.


O chefe do Executivo federal afirmou que solicitou ao Ministério da Saúde um levantamento sobre as principais causas de mortes no país nos últimos anos e declarou que vai apresentar os dados ao Comitê de Crise da Covid, que reúne os presidentes da Câmara e do Senado. “Na próxima reunião a gente vai apresentar quantas pessoas morreram nos últimos 25 anos de cada doença”, disse.



Poder360

PUBLICIDADE